Postagens

Mostrando postagens de 2012

UM

... reparo que uma folha de papel já tem escrita toda a história de uma humanidade livre... as crianças brincam totalmente livres é duma beleza que me deixa transtornado...

Os dias sucedem-se em espaços e movimentos e posturas de repouso... o fluxo de energia é suave e alegre, ... que maravilha, ser Humano é tão amável e estonteante...

Olho a partir de ti e vejo-me finalmente ... real!...

Um copo de nectar divino

... liberdade...

aquela beleza é Una

Uma árvore intemporal

nos teus seios renasço

jovem... sempre...

dia a pós dia renovo-me nesse amor

nessas tuas delicias imaginadas

vem enrola-me nas tuas pernas

cobre-me de beijos

faz-me cosmos e mãe terra

semente e semeadura

as estrelas e as flores
e todos os bichos do mundo
num mar ou num rio puro
nessa cascata e na piroga

eu sou tu és num fruto da terra
nós somos...para sempre!

aqui e agora em mim todos os amores e a terra toda
e todos os átomos todas as moléculas
todas tudo em todas... explosão interna
Acordo para nós ... um!

morreu a morte

Uma explosão de luz azul violeta de tonalidade anis... numa fresta da existência... uma galáxia ... o vazio... o nada...

olhos esbugalhados... parado no meio de um prado... de pé no meio de um rio... escorregando vagas marítimas como se de neve tratasse...

a conversar com um tigre e uma serpente escuta-nos atentamente...

sócrates e platão ao fundo numa mesa de café trocam olhares cúmplices com vénus

mais além Fernando Pessoa e António Lobo Antunes e o Almada Negreiros falam com Dali e Picasso suponho que o tema é gastronomia tal a volúpia dos olhares

passa uma escultura bela de olhos verdes e andar firme sou um quadro inerte

mais além um velho muito velho dá cambalhotas e mais cambalhotas o petiz olha-o com indiferença e comoção... sabe que as coisas agora são assim... para sempre

as árvores e as flores habitam connosco nas nossas casas e sabemos voar e estar em silêncio... e os amores... oh os amores são tão intensos que a formação das estrelas lhes ficam sempre aquém... …

Sabedor...

Conheço-me...

É uma árvore velha com
ramos novos

olho e vejo um espaço e
outro espaço

vazio e outro vazio

luz e sombra

dia e noite

Só nesta loucura me sei eu

doutra forma não sou...

[naquela caixa estão todos adormecidos...]

Aurora

... o teu nome...
diz-me que és o novo...
a balbúrdia da vida

somos nós numa cama de...
loucas emoções
tórridas sensações

soubesses os meus amores
e derretida de delicias

seríamos uma cama
um amor
uma canção infinda

esse teu olhar
o teu corpo
e todas as mulheres em ti
e de pois de ti todas as mulheres...

no teu extase todas as vidas

o céu o mar os astros
a vida plena...

liberdade...

Infinito Momento...

Calmo... silêncio...
Noite... dia... amor ...

Todas as cores...
Um orgasmo molecular

Unidade relativa...

Cosmos em expansão... nós...
Livres Unos, expectativas perfeitas...

Orgasmos multiplos
Paz... corpo e vida


morte... ressurreição...

Quando me sento junto de ti...

A vida ganha no silêncio de todas as árvores
as cores do arco-iris

e assim subitamente as cores renascem...

lá ao fundo uma criança brinca acompanhada

do vento nosso irmão...

Canção...

Livre entardecer de mágoas

As mãos puras têm a luz perfeita
O olhar amigo

Estamos os dois e o mundo

...unidos numa paz duradoura...

numa liberdade plena...

movemo-nos com graciosidade
e tudo é simples e fácil

viver torna-se uma experiência

viva apaixonante...

e sabemos quando adormecemos
e acordamos eu este será mais um dia

glorioso, à nossa perfeita medida...

Liberdade amor unidade fraternidade

canção verdadeira...

Soslaio...

A tua beleza comove-me...
Sempre... todas as noites...

Se fosse livre seria uma ave intemporal
De asas laranja!

Álvaro de Campos ...

"Eu adoro todas as coisas
E o meu coração é um albergue aberto toda a noite. 
Tenho pela vida um interesse ávido 
Que busca compreendê-la sentindo-a muito. 
Amo tudo, animo tudo, empresto humanidade a tudo, 
Aos homens e às pedras, às almas e às máquinas, 
Para aumentar com isso a minha personalidade"


Álvaro de Campos

Futebol e o Benfica...

Era uma camisa encarnada e uns calções brancos...

Sou do  BENFICA e tu? Também... somos do Benfica...
Estou feliz, somos do benfica... do Benfica o melhor clube do mundo!
Já foi campeão da Europa!
A serio? Olhos de alegria!!!

e depois...
Um guarda-redes maluco - Bento um abraço ao Costa Pereira!
...Onze caixotes do lixo
Dizem os camones... malandros! Na Escócia...

O Asterix pequenito e enganador... o meu ídolo!
Adoro-te Chalana! Adoro-te homem...

Eu era pequenito
Olhos esbugalhados
Papoilas saltitantes
Um coração alegre... mas tão alegre que doi...

O Cavungi...quem? O Cavungi pá...o Cavungi!

O Moinhos, o Vitor Batista (era maluco dizem...)
O Folha... o Stromberg... o Filipovic... tudo misturado...

O que não suja os calções
O Capitão e aquele com as luvas pretas
Que mistério guardam as suas mãos ???
Que classe ... e o outro...o Shéu... que elegância...

Falaram-me no Eusébio
O Melhor jogador do mundo jogou no Benfica
O melhor jogador do mundo?
Xiça... o melhor jogador do mundo!!!

Estou…

Os teus seios...

... meu amor...
não são teus, são meus...

Sei neste desespero
que a vida sou eu e não tu

mas quando me levanto
estou tão só
que nem espelhos me falam

são tardes
manhãs
noites dias
meses que passam pelas semanas

sem esse amor desconheço
o que e viver...

e afinal nada tenho porque
sou de novo o eterno silêncio...

Amor

Quando me falaste de amor, eu era muito jovem
Inocente inconsciente rubro puro

Aguardo aquela sensação de UM
... a fusão que inicia a Vida!

Sei que o sol e a lua e a terra
e o cosmos tu e eu
eles e nós
As trevas e a luz

A vida e...
Sei

Eu!

Todos as coisa têm todos os sabores
E cada coisa é saborosa por si mesma
Não existem amores maiores
Vidas melhores
porque
A vida é uma só... grandeza e pobreza irmãs gémeas!

Oculto

É o movimento lunar
És no meu andar a tua história
Espelhos rombos
Jogos sem regras

Existe nessa tua ausência
aquilo que quero
existe num torpor a vida nova
moléculas de .... cálices amargos fel

Convidas-me para um copo de cicuta
Sei ao que vou
Sento-me olho-te olhamo-nos
... eu sei tu sabes sabemos... o medo atroz...

existe nesse teu olhar toda a repulsa
a perfeita canção da morte
eterno prazer inacabado
recuso beber sabendo a doçura do veneno

Levanto-me, sacudo o pó das meias
empoeirado o coração
Calças velhas

Vida nova!

Até já!

Parece-me que me apetece sair... esquecer...

O futebol... e suas paixões (ou ausência delas)... a nossa fácil capacidade de olhar o lado lunar... a minha?
os negócios, os egocentrismos... as coisas estranhas...
Sinto falta do Benfica do Nené, do Shéu, do Humberto, do Alves, do Chalana... sinto tanta falta que até doi! Isto que se passa hoje no futebol é tão estranho! Mas tão estranho... quero esquecer esta coisa feita de falta de... amor ao jogo, à verdade e à humildade... a falta que sinto de nos sentirmos irmãos nas diferenças e nos adversários...

Estranho tanto que me quero evadir... quando o Benfica perdeu (não teve nada a ver directamente com a derrota, mas muito mais com todas as envolvências) com o Porto senti algo parecido... hoje quero tanto voltar para um lugar fraterno...

Muitas pessoas vivem com ânimo o eterno combate... eu ... pois... estou noutra... claro que adoro coisas fixes, pessoas, atitudes, decisões...fraternidade... mas não... é assim... volto talvez à minha poesia!
Mas não é o combate é o respeito pelas pe…

Lugares

Cosmos imenso
a possibilidade infinita
dentro e fora
o transitório eterno

tudo é bom e perfeito
a aprendizagem é toda grata
somos extraordinariamente belos
a mãe terra está finalmente feliz

é uma era de amor e alegrias
deliciosas... é a grande liberdade
amores intensos e juvenis
a grande irmandade eleva-se


moléculas de amor deliciosas!

Poesia... pausa...

Quarto Crescente

Esse olhar de mel
Os teus seios
O teu ventre de delicias
Mergulho em ti e renasço

Houvesse na vida amor
E tu serias esse amor
Indizível, discreto apaixonado
Seriámos amantes eternos

E na cama de loucuras
Segredo-te amáveis palavras
Verdades nossas, incontáveis aventuras
Somos aquilo que queremos

O sol e a chuva
A noite e o dia
A brisa e o calor
Uma unidade maior - o nosso amor!

Soubesses ser-te, sendo-me
Seríamos tudo, desapegados
Perfeitos e livres
Pacíficos e apaixonados

Moléculas de amor!

Quando os dias
voltarem a ser dias
e nós Um, aí as loucuras
Voltarão e tudo fará sentido!

Caos

É uma liberdade que me magoa
uma viela suja
amantes perversos,
casas com cores febris

No meio a alegria
Crianças e tigres juntos
numa algazarra néscia
As hienas sonolentas observam

Somos jovens eternos
sem cuidados ou objecções
a vida basta-se
Somos Um... lânguidos e felizes

Há momentos em que as moléculas de amor
São inebriantes...

Caos pleno... liberdade pujante...

Nós...

A Arte do Calar

Silêncio

Silêncios complexos
Noites despertas
Dias fugases 

O teu olhar é brilho à solta

Quando me sento
a arte toma-me o espirito audaz

e um grito mudo prende
a mentira e solta a verdade... 

Há duvidas persistentes
Mas o Sol Outro Mergulha-Me na Existência...
[agora vamos ao que interessa; Fernando Pessoa]





Não Digas Nada!

Não digas nada!
Nem mesmo a verdade
Há tanta suavidade em nada se dizer
E tudo se entender —
Tudo metade
De sentir e de ver...
Não digas nada
Deixa esquecer

Talvez que amanhã
Em outra paisagem
Digas que foi vã
Toda essa viagem
Até onde quis
Ser quem me agrada...
Mas ali fui feliz
Não digas nada.

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

Poesia...

Sentimentos

Vergastada no ar
chicote de emoções e perduras
em ti por mim
Sofro mágoas de mentiras

calmas e cruas noites
de amor cão, de gatos sofridos
de moléculas de prazer
Olhos que se negam pela furtuita
impossibilidade de tu seres eu em ti

Sentada numa cadeira de velcro
Pernas arqueadas
ventre destapado, olhar perdido
corpos suados, gritos suaves

Calmas emoções
que falam de amor cru
de mentes pobres
de dias ricos de nada

amor humano!

Reencontro...

Este sol fala-me da alegria
existe este vazio que se preenche
com a palavra ... saudade
                                                                    reencontro com o coração

esta alma carece de atenção prioritária

os olhos renascem o coração eterniza-se

de volta ao eterno no agora

todo o merecimento é simbiose
com o amor

com a delicia em mim

quando amar-me sem juizos

amarme-ei-te em pureza

puro doce perfeito incondicional

eterna delicia em mim por todos

A figura é esta... sentado nestes degraus de pedra, uma bica de água pura e fresca, que é de suprema delicia, sei que o meu amor, os meus amores são todos perfeitos e nada há de errado em ninguém... existe o momento gracioso, a alegria perfeita em cada ser humano...

Somos todos perfeitos, lindos, alegres, apaixonados, simples, humildes, fraternos, audaciosos... plurais... somos vida plena sem regras alegria indizivel... somos humanos eternamente jovens e belos e deliciosamente amáveis...

Poesia de vida - uma brisa alegre...

As pessoas, são a janela que nos permite acreditar... a beleza das palavras e da simplicidade... comovem-me...
Comove-me a beleza das mulheres, comovem-me a existência, o amor,  a paz, a alegria, o chilrear dos pássaros, os animais, as flores e toda a natureza, as fintas do Chalana, a inteligência do Alves, os pés do Rui Costa e do Aimar... a poesia enche-me - confio na paixão amorosa dos relacionamentos entre seres humanos... quero fraternidade... quero que cuidemos todos uns dos outros... quero ser finalmente feliz.... quero ser feliz...
Alguém num espaço tempo real transforme o mundo em cor paz e alegria eterna... eu...

Agora é o meu tempo...

A noite tem luzeiros
de beleza indiscutível... sou eu...
Um olhar de negro paz
Remete-me para a possibilidade

de ser aquilo que sou eu...

um medo frio disforme
diz-me que o engano me persegue

mas é esse sonho de criança
essa amizade com a paixão
que me faz continuar a ... ter fé...

Estou só... e ninguém sabe...

A vitória...

enorme canção da existência... sopro de fé esconça... olhas um coração cansado e dás-lhe alegrias que podem ser maiores... eleva-te... desfruta da arte... a arte é a vitória! Não existe outra vitória mais bela que a apologia da arte... de viver sabiamente!

Venço ao me conhecer melhor e aí todos os golos ganham significado... conheço-te, sei que não me reconheces... e o golo é esquecido... para sempre... sem cansaços ou tristezas... é somente um jogo que nunca foi jogado!

Amante...

Mulher... em ti repousa toda
a paixão inútil...

Nos teus seios faço-me homem
no teu corpo vida

o universo perfeito tem o teu nome

beleza profunda

o teu corpo dá sentido ao meu olhar

extase

o põr do sol tem perfume de mulher

a lua com o seu travo a menta enebria-me de ti

o verde o azul o negro o castanho o mel
no mar no ceú na terra na noite encontro-me por ti

Adoro toda a tua vida
as tuas delicias sou eu não és tu

amante eterno... corações selvagens... livres...

cosmos silencioso e explosivo... os teus amores

Liberdade...

Chove torrencialmente, saio para a noite
A lua tem luz própria

e...
Vivo essa intimidade cumplice com a vida
... somos dois estranhos que se reconhecem...

a minha amiga deixou-me e eu estou só

as ondas do mar falam-me
doces palavras abraços eternos

sento-me calmo sobre um olhar
os olhos deixam-me em extase profunda

servo de todos os olhares
amante desses olhos belos desses corações puros

sei que a vida tem luz própria

eterno

a paz tem um nome juventude
a liberdade um brasão - laranja amarelo verde vida!

azul turquesa

De passo apressado
páro subitamente
cruzo-me com esse olhar doce
essa peculiaridade de vida
frente a frente a tocar-nos num silêncio e olhar profundos

verde mar
um corpo que doí... que a beleza me mata precocemente
uma alma aliciante
uma perfeição molecular

as loucuras que vivemos
são vida a pulsar - o universo a se recriar

nada depois da paixão
nada depois da volúpia
nada depois do orgasmo

olhamos a vida e acreditamos na alegria e no entusiasmo

está uma tarde agreste
uma cama lavada
um corpo perfeito

existe uma qualquer sensação
misto de paz entusiasmo e vida

eu tu nós este momento eterno!

esqueço os juízos o (a ideia)
bem e o mal... só existe o Amor!

só existes tu para mim!

O teu mel, esse olhar que quero
só para mim

os teu seios,o teu ventre... o teu corpo que dá sentido
à vida!

Sinto-me só...

Esta tarde é uma daquelas...
que... me sinto só...
acompanhado dos meus amigos [muitos]
revejo os meus dias, as alegrias
e os cansaços persistentes...

os amores são controversos
o ego afirma-se na sua pujança inexorável...
eu aqui discorrendo ideias pouco singulares...reconheço...
que nem tudo é inútil
existem inutilidades amorosas
conversas e escritos ...
momentos desvazios preenchidos de palavras
desomoções

mas a paz vale a pena, o desapego é o meu irmão

a morte uma amiga distante...porque a vida

quer renovar-se...
sinto-me só nas utopias e nos quereres desavindos de mim

sei que quero a unidade... a ironia só serve
para me escandalizar comigo na antitese de mim

estou tão só... tão perdido de mim...
tão serenamente só...

tão em paz...

desestranho-me conheço-me tão bem!

Saber ser mais alto...

É escutar intensamente a ausência de conflito... provavelmente respeitar incondicionalmente implica aceitar incondicionalmente... é muito duro - interna e externamente... mas parece-me ser um caminho razoável...
Caminhante me confesso... estou à beira de mim...

Se abdicarmos da justiça a fraternidade finalmente poderá manifestar-se!
Abdico!

Caos poético...

Calmo estio,
noite amada
a leve brisa que sopra por entre a folhagem

enche-me plena e totalmente o coração.

ao longe ouve-se um cão ladrar

a lua companheira permanente
diz-me... atreve-te sonha sozinho
desnuda-te rasga o coração

deixa-te ir nesse silêncio que mata...

sê a morte perfeita... a vida que renasce...

deixa o caos emergir e libertar-te


ousa...voa... mergulha...perde-te na noite escura....

Noite agreste...

A companhia serena do coração tranquilo.
Saber-me maior que o pensamento... saber-me...
Sentado olhando o jardim, ou no sótão sabendo o azul negro do céu uma estrada infinita de alegria, desconheço o sofrimento e todas as galáxias concentram a minha atenção.
E no entanto são os olhares que me trazem a luz do amor... em cada olhar uma galáxia e ficam a faltar mundos inumeráveis... esta tranquilidade infinita diz-me que tudo está em ordem...
Nada espero, nada desejo... somente existir... o bater do coração, a respiração consciente!
A vitória tem o sabor de todas as derrotas anteriores, são irmãs...
O medo abandona-me finalmente e reconheço-me...
O fumo dos cigarros são o sinal de eternidade cumprida!

O paraíso na terra...

Acordo e está um dia chuvoso com um sol radiante... corre uma brisa ténue mas esforçada o frio não se nota propriamente nos ossos é mais uma sensação desvalida...

Decretei o fim das guerras, ódios, jogos de poder e de todas as regras!
Neste momento todos os seres são livres de viver a vida como quiserem tendo como único pedido formal viverem-na em ordem ao seu bem maior e ao bem comum, numa lógica de  AMOR INCONDICIONAL!
Existe abrigo confortável, água e alimentos gratuitos. Os governantes exercem de acordo com a vontade da maioria...  o dinheiro está num limbo deixa de existir ou é distribuído de igual forma para todos, uma forma de comunismo muito apreciada por toda a comunidade...
É um povo alegre, amante de todas as formas de arte e apaixonado, sendo que a paixão é sublime porque totalmente duradoura... a natureza e o cosmos são olhados como irmãos... a escola é um lugar onde todos os habitantes podem ir para aprender algo que lhes encha o coração...
As religiões tomam consciência…

...do desapego ou do silêncio...

Até o contraditório causa rotinas insuportáveis... tudo tem um tempo  -a eternização de um modelo meramente especulativo é de eficácia duvidosa.
Li hoje um texto que me tocou o coração... é tempo de parar!
Paro para refletir... estão feitos todos os diagnósticos, enunciadas todos os erros... foram mandadas para a mesa muitas sugestões...
Tempo de silêncio... ou de nos escutarmos olhos nos olhos... a critica continuada desvia-nos da criatividade - faço um apelo à massa crítica - passemos à fase seguinte!

Fase seguinte: Contribuição para a elaboração de um programa eleitoral e "constituição" de uma lista candidata às eleições!

Aguardo uma eventual reunião...

Trevas...

Num rumo onde a luz me comove porque procuro o repouso ... neste entretanto "combativo" anseio moléculas de amor indizivel. Quando olhamos para o quotidiano fastidioso, repleto de tédio ou algo a que podemos chamar violência (não que o seja de facto - é só uma manifestação evolutiva) considero que há dias em que tudo perde o brilho, não pela ausência mas pelo olhar turvo, desconectado do real absoluto.

Construir realidades maiores ou menores - podem sempre ser construídas, mas resta nestes dias o necessário sentimento de que pode não valer a pena - sendo isso impossível.

Quando na vida chamamos a isto vitória àquilo derrota ou insucesso... saibamos nós que tudo é vitória... mas existe desperdício, não objetivo, absolutamente subjetivo, é a constatação de que a realidade que me é exterior eu posso torná-la minha... pura perda de tempo, sabendo nós que não existe isso - perda de tempo.Nem o tempo é nosso irmão, porque é uma ideia e não a Realidade a que tanto nos prendemos...

Que sabes tu... de mim...

Se tu soubesses o meu coração...
saberias no teu intimo as dores que sofro por ti
as horas acordadas em que te beijo
...sofregamente...
numa loucura sem fim... inacabada para sempre...

tu és o rasgo de luz que a minha alma
anseia de noite e que durante o dia perscruta em cada um
que não és tu, mas que revela a tua face!
és duma luz que me mata e inebria

nem sei se morro ou altero

só sei que quero viver nos teu seios perfeitos
mergulhar em ti e aí morrer para sempre
numa extase que me faz vibrar com o universo inteiro

se tu soubesses o meu coração
não me esquecerias, nem dirias que nada sou
se tu soubesses o que é amar
amar-me-ias assim e morrerias tu nos meus braços...

e nesses beijos que desconheço.. aí mesmo, nesse instante
desfaleço...

são ondas de paixão sem nome, sem corpo, sem alma...

O amor pelo amor! Eu e mais ninguém... o Amor Todo em Mim!

Aqui neste penhasco olhando o mar recordo todos os amores
dos homens e das mulheres... todos os amores sem nome
... sem casa
Inteiro eu e …

Amantes

Estavas tu sentada sem... medos...
...descontraída....bela...
O alecrim... e um gato travesso...

Estamos sentados com os olhos de um verde mel
discretamente... onde as mãos falam... e os corações
num silêncio profundo rasgam todas as vidas inúteis!

Um trovão, um eclipse solar, uma canção de amargura
Uma supernova! Tu...
é um mar chão ou uma colina verde escarlate

Naquele bar onde todos riem alto
Eu e tu naquele canto sós - proscritos do mundo

Existe nesta tarde uma vida sem nomes...

é o amor... a paixão... o nosso modo de vida...

nada supera a singularidade!

descanso dos teus cansaços... regato vil e puro...

fresca e amável a tua boca... doces extasiantes os teus seios...

Lirios cantados o teu ventre... extase pura... tu...

Amar é a perfeita loucura, a máxima perfeição!

Se te olho morro de amores ... mergulho em ti... recuso ser eu de novo!

Som perdido

Cravado em mim...
Essa tua ideia de... mel... distante
Ausento-me em permanência...
Porque o sonho habita-me... redesenha-me

Neste silêncio nesta lua de mel
nas palavras desditas, reditas... imaginadas...
nos ontens e nos amanhãs...

Detenho-me... olho-me... volto
-me para trás... observo com a doçura total...
inconsequente, estranho... desentendidos de vidas
a viver em locais novos... ? quem somos nós...

Se o sol se levantasse todos os dias
Se eu fosse eu
Se a lua brilhasse
Se eu respirasse vida
Se a liberdade não me prendesse
Se o ego me deixasse

Se eu me respeitasse
Seria essa novidade a vida...

e no entanto eu sei que só o amor me liberta...

Desço esta rua suja que me desdenha...
...eu... irremediavelmente eu... e tu?
Volto a cabeça para trás e nem silhuetas...
Volta na primeira à direita...
e não me esqueço... eu... uma silhueta!

Se a lua brilhasse... eu...

Deito-me quieto... quem procuro... esconde-se...
eu... olhar puro... mãos de amor...

um espaço intemporal...

O mundo

O nosso olhar perde nitidez ao afirmar... o mundo és tu... porque a verdade é que... O Mundo é cada um em si... o outro é o nosso reflexo...


As pedras de xisto...pretas...

Uma pedra fria
lavada no desespero e no desprezo
cansados de lutas intérminas
de jogos perdidos

pérfida ilusão... mas existe o amor!
Mola concreta apetecida... transitória É
por definição nós Somos
Tu como eu, És

brincamos o mesmo jogo para nos divertirmos em conjunto
Está bem?

Tu dizes que sim, mas eu acredito

Tenho um sono longínquo que me desperta
renova e anima... não és tu!
Sou eu...

O nada e o imperfeito falam-me e dizem-me...
tranquiliza-te... despe-te de ti... sê tu próprio!

aguardo mais um pouco...

Encanto menor... porque maior és tu meu amor...

O teu olhar é um mar de vida...

Sigo-te como se segue um leão albino [com O Olhar distante]
Extase de plenitude suave
Cheiro dE Perfume que mata
e renasce-me neste quarto de brincadeiras por confessar

Estou sentado diante do teu corpo nú
a beleza és tu aqui e agora
nada me resta viver depois de ti
depois desta tarde de amores a noite já não é precisa

E tu continuas a creditar no mundo
Eu já acordei e sei que o mundo és tu
levanto-me e sei que tudo

sei que és tu que quero e nada mais...
momento de pura consciência

o teu corpo a minha vida o nosso universo
Unidade...

Lá fora hoje cai uma chuva miudinha que me faz feliz...

Adoro a cor aveludada do mel em ti!

Sou grato...

Moléculas

[a origem do nome do blog radica neste texto escrito em 8 de Fevereiro, quando para clarificar o coração me expressei desta forma..]

Moléculas

... doçura extrema...
O Ser que se contextualiza no momento
chamam-lhe amor...

E... a pele insensível transmuta-se;
Coração alerta
... Cápsulas de ternura
Tresloucada figura...
Moléculas de ideias subtis

Ideias que marcam
Rompem auroras... criam
Desnudam dias e cansaços
Revelam espaços
Outrora esquecidos... ignorados...

Marcas reais
Moléculas... verdadeiras vidas
De loucura vestidas

serenos passos de poemas
sem sentido
passos
silêncios... vidas no pretexto
Vidas... moléculas perenes
não esquecidas... reais...

... homens de sonhos tortos...
moléculas... e os teus amores?
Um frio doce... terno... belo...
Amargo... moléculas que se formam
... e ficam... para sempre...
[silêncio]

The end!!

A Vida Verdadeira...

Poetas... [sobre a vida]

Todos os poetas falam da vida, do que os comove e daquilo que a todos ilumina... num olhar rápido... nada se compara à energia pura dos afectos...

Pode o ser Humano almejar dezenas de sóis que o Sol central é o reconhecimento do outro em mim... como uma só realidade...

Nesta amável verdade, não existem esforços, existe vida... e a união plena é essa sacralidade comum... sem obstáculos, sem estranhos!

Tudo é fácil quando nos centramos no essencial...tudo flui no rio da vida, tudo faz aí sentido!

Disseram-me...

As coisas devem ser fáceis... como um rio que flui naturalmente [eu]... quando as coisas são difíceis... o que é que isso quer dizer???

O nosso mundo...

Luz...
Fraternidade...
Paz, unidade - igualdade. Um país sem armas, em que as prisões são centros de ajuda, formação, educação e reabilitação mental dos cidadãos. A escola está centrada nos alunos, existem tutores que adequam os currículos a cada aluno. Energia livre - gratuita.
Liberdade - ausência de regras... todos conhecem o seu lugar e o lugar do outro.
Não há políticos, todos são parte das decisões - existem administradores.
A terra é considerada mãe e todos os seres vivos são tratados com reverência. Todos estão ligados à mãe terra... a arte, a canção e o jogo são a nossa matriz principal...
Trabalho para todos, pleno emprego - só trabalhamos 4 horas por dia para proporcionarmos o pleno emprego... todos cultivam o seu alimento...
A água é gratuita, os rios e o mar estão limpos!
As religiões são locais de espiritualidade...
Os jogos de poder findaram... somos Um... já não sabemos o que é a guerra...
Viver é maravilhoso porque é uma constante alegria e surpresa permanente sem obs…
O modo low cost...

O Português vive em modo low cost... não pode ter ambições exageradas... ou se exagera é na converseta inútil... somos assim... capazes de tudo e de rigorosamente nada!


Quando desci aqueles degraus sabia que não voltaria atrás para remediar as palavras malditas... estávamos nós de mãos dadas quando dissemos olhos nos olhos amo-te, tu és O meu Amor... a doçura dos olhares límpidos, as mãos que não se tocando falavam de perfeita união que os corpos mentiam dia após dia... a verdade era uma amiga intima...
Recusei-me a olhar para trás, grossas gotas de suor escorriam-me do canto dos olhos... e lágrimas de alegria cantavam todos os amores todas as noites de Explosão Cósmica... união capaz de redenção...
Despi-me de mim e peguei na alma... já não me pertencia... não me merecia... era de outrem... perdi-me ao me encontrar... rasguei-me... revoltei-me... não volto àquele lugar... fiquem com ele... é vosso...

Atrás desta janela vejo-vos passar com os olhos cheios de ilusão como se estivessem vestidos de vós... mas ninguém se pertence...


[Sei que ambos são estranhos, depois de dezenas de vidas, de anos, de cansaços - o sentido das coisas perde-se mesmo sabendo …
"Eu adoro todas as coisas
E o meu coração é um albergue aberto toda a noite. 
Tenho pela vida um interesse ávido 
Que busca compreendê-la sentindo-a muito. 
Amo tudo, animo tudo, empresto humanidade a tudo, 
Aos homens e às pedras, às almas e às máquinas, 
Para aumentar com isso a minha personalidade"
Álvaro de Campos
AMOR


Sou o local perfeito
para se estacionar um coração tranquilo

... daqui desta janela bem fechada
não tenho olhos para mais nada que não esse amor

que acalma todas as sedes de vida.