sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Caos

É uma liberdade que me magoa
uma viela suja
amantes perversos,
casas com cores febris

No meio a alegria
Crianças e tigres juntos
numa algazarra néscia
As hienas sonolentas observam

Somos jovens eternos
sem cuidados ou objecções
a vida basta-se
Somos Um... lânguidos e felizes

Há momentos em que as moléculas de amor
São inebriantes...

Caos pleno... liberdade pujante...

Nós...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agostinho da Silva

"Morre menos gente de cancro ou de coração do que de não saber para que vive; e a velhice, no sentido de caducidade, de que tantos se v...