sexta-feira, 28 de julho de 2017

Autor


das histórias dos outros.


O nobre cansaço de viver a tua vida, de te dizer como fazeres que eu sei melhor e para ti é mais fácil que assim escusas de pensar, descansa que penso por ti, deita a cabeça na almofada e dorme mais uns minutos.

Tens a casa desarrumada, deixa-me dizer-te como a deves arrumar, que vejo nada saberes de limpezas, não contrates uma empregada eu explico-te como deves limpar, cuida de não seres enganado nos seus honorários (se a contratares, sei que vais), que o dinheiro Tem a sua valia estimável.


Um copo de água fresca por favor que o calor está inclemente, não está?

A minha casa não me chega, é demasiado pequena, deixa-me entrar que sufoco na pequenez.

Uma das maiores sensações de cansaço na casa dos outros, apesar do aparente trabalho excepcional, é ser ele O dirigente o dono oficioso, todos acharem bem, esta unanimidade em torno da falta de qualidade, da pouca agilidade, senhor do desperdício, como se fossem quase virtudes. Em breve a qualidade e a inteligência regressam ao palco principal, porque é tempo de renovar os mundos. Venha a arte e a criatividade, a solidez fútil no movimento contínuo.

Cada um é autor da sua própria morte, que seja serena e imperceptível.

terça-feira, 11 de julho de 2017

Redenção


Ser-Se Enorme a Condição de todos os seres Humanos
Olho atrás, para trás, sonho outro eu,
Um rio caudaloso, uma cascata de luz e sombra, eu num farol de mim no meio como um campo de girassois

A minha, a tua, a nossa história, são contos diários onde nos reconhecemos virtude perdida
uma arte que se encontra em grutas sem nome ou geodefinição
Criatividade amor ao belo, uma estrutura de poetas e gente simples e estival

Dar corpo ao sonho, ser-se o Sonho de Todos
ARTE


sábado, 8 de julho de 2017

MEMÓRIAS


Fogachos de outros anos, como se fossem outras vidas, décadas de olhos cheios de luz e entusiasmo, como as crianças a correrem atrás de uma bola, numa alegria sem medida, assim já todos nós fomos, pequenitos e pequenitas que sabiam que o amor à vida e ao jogo e de uns pelos outros eram sempre vitórias, todos os dias. Acordávamos cheios de alegria do jogo com os outros, todos os outros e outras, eram dias sempre novos, jogos sempre maravilhosos.
O Benfica no coração das crianças e dos adultos meninos e meninas é sempre assim façam o que fizerem, porque esse mundo habita esses e essas, são os príncipes e as princesas na vida, e os dias são mais dias nos corações com essas pessoas junto de nós...

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Vencer é Resignar-se

"Vencer é Resignar-se


Conformar-se é submeter-se e vencer é conformar-se, ser vencido. Por isso toda a vitória é uma grosseria. Os vencedores perdem sempre todas as qualidades de desalento com o presente que os levaram à luta que lhes deu a vitória. Ficam satisfeitos, e satisfeito só pode estar aquele que se conforma, que não tem a mentalidade do vencedor. Vence só quem nunca consegue. Só é forte quem desanima sempre. O melhor e o mais púrpura é abdicar. O império supremo é o do Imperador que abdica de toda a vida normal, dos outros homens, em quem o cuidado da supremacia não pesa como um fardo de jóias.

Fernando Pessoa, in 'Notas Autobiográficas e de Autognose' "

terça-feira, 4 de julho de 2017

O Argumento!


Saber escutar com os olhos e o coração. Olhar o outro nos olhos, perceber-lhe a alma.
Inteligência vencedora, lucidez e coragem.
Vencer é conhecer a alma do adversário.
Derrotar os nossos medos.
Arte pura.

segunda-feira, 3 de julho de 2017

O Combate (a guerra) Interno e Externo, a Futilidade e a Ignorância



Existe maior alegria na superação e na inteligência, que o vil dinheiro nunca entenderá.
Existe maior alegria na arte e no belo que nenhuma vitória te poderá dar.

A alegria, a arte, a inteligência, a superação, o entusiasmo, a unidade, o sonho, e só depois a Vitória.
A unidade com os derrotados, a mesma realidade, uma não existe sem a outra e os adversários, não existimos uns sem os outros. Aqueles que desprezam os adversários desprezam o jogo e a si mesmos, porque sem adversários nós não existimos.

Que este seja um ano de UM PLANTEL PODEROSO E EQUILIBRADO EM TODOS OS SECTORES, e que a arte de ter bola seja uma realidade.

Agostinho da Silva

"Morre menos gente de cancro ou de coração do que de não saber para que vive; e a velhice, no sentido de caducidade, de que tantos se v...