Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2012

A Arte do Calar

Silêncio

Silêncios complexos
Noites despertas
Dias fugases 

O teu olhar é brilho à solta

Quando me sento
a arte toma-me o espirito audaz

e um grito mudo prende
a mentira e solta a verdade... 

Há duvidas persistentes
Mas o Sol Outro Mergulha-Me na Existência...
[agora vamos ao que interessa; Fernando Pessoa]





Não Digas Nada!

Não digas nada!
Nem mesmo a verdade
Há tanta suavidade em nada se dizer
E tudo se entender —
Tudo metade
De sentir e de ver...
Não digas nada
Deixa esquecer

Talvez que amanhã
Em outra paisagem
Digas que foi vã
Toda essa viagem
Até onde quis
Ser quem me agrada...
Mas ali fui feliz
Não digas nada.

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

Poesia...

Sentimentos

Vergastada no ar
chicote de emoções e perduras
em ti por mim
Sofro mágoas de mentiras

calmas e cruas noites
de amor cão, de gatos sofridos
de moléculas de prazer
Olhos que se negam pela furtuita
impossibilidade de tu seres eu em ti

Sentada numa cadeira de velcro
Pernas arqueadas
ventre destapado, olhar perdido
corpos suados, gritos suaves

Calmas emoções
que falam de amor cru
de mentes pobres
de dias ricos de nada

amor humano!

Reencontro...

Este sol fala-me da alegria
existe este vazio que se preenche
com a palavra ... saudade
                                                                    reencontro com o coração

esta alma carece de atenção prioritária

os olhos renascem o coração eterniza-se

de volta ao eterno no agora

todo o merecimento é simbiose
com o amor

com a delicia em mim

quando amar-me sem juizos

amarme-ei-te em pureza

puro doce perfeito incondicional

eterna delicia em mim por todos

A figura é esta... sentado nestes degraus de pedra, uma bica de água pura e fresca, que é de suprema delicia, sei que o meu amor, os meus amores são todos perfeitos e nada há de errado em ninguém... existe o momento gracioso, a alegria perfeita em cada ser humano...

Somos todos perfeitos, lindos, alegres, apaixonados, simples, humildes, fraternos, audaciosos... plurais... somos vida plena sem regras alegria indizivel... somos humanos eternamente jovens e belos e deliciosamente amáveis...

Poesia de vida - uma brisa alegre...

As pessoas, são a janela que nos permite acreditar... a beleza das palavras e da simplicidade... comovem-me...
Comove-me a beleza das mulheres, comovem-me a existência, o amor,  a paz, a alegria, o chilrear dos pássaros, os animais, as flores e toda a natureza, as fintas do Chalana, a inteligência do Alves, os pés do Rui Costa e do Aimar... a poesia enche-me - confio na paixão amorosa dos relacionamentos entre seres humanos... quero fraternidade... quero que cuidemos todos uns dos outros... quero ser finalmente feliz.... quero ser feliz...
Alguém num espaço tempo real transforme o mundo em cor paz e alegria eterna... eu...

Agora é o meu tempo...

A noite tem luzeiros
de beleza indiscutível... sou eu...
Um olhar de negro paz
Remete-me para a possibilidade

de ser aquilo que sou eu...

um medo frio disforme
diz-me que o engano me persegue

mas é esse sonho de criança
essa amizade com a paixão
que me faz continuar a ... ter fé...

Estou só... e ninguém sabe...