Postagens

Mostrando postagens de 2017

crianças traquinas

de calças rotas e pés descalços, uma bola de trapos, toda a ilusão nos pés feridos pelas pedras de tropeço,
o futebol é para as crianças
Amanhã é outro dia, cada golo um sorriso que espera um abraço
Futebol

da Natureza do Cansaço

O acto sem força
o mando corrupto,
a ausência de nobre conduta
a desinteligência
desconhecer a sua força
medo terrível de perder, aquilo que não é, não foi
e nunca será Seu

inútil acção, desconstrução
... Mas,
aquele que É
irrompe por uma sala
com um olhar subjuga
com uma palavra submete

e ele próprio se torna Um com o espaço
com a vitória e a derrota
incorruptível, soberano
altivo e sóbrio
sendo maior é igual, porque conhece
aceita e funde-se

guerreiro, num pueril exercício de vida

de um punhado de terra constrói uma casa
o outro faz desabar mil castelos
pela sua ignorância

esta é a natureza do cansaço,
A Ignorância e o temor do nada

vida intermédia

chamamos ao vento irmão
à vida sedução
ao abraço união

este acordar, lembra-me a força do silêncio

o que vê, olha e compreende
o jogo da vida
guerra ou paz, alegria ou nada

alegria,
a alegria do silêncio
a amizade natural com a vida

esqueço os jogos dos outros

intermédio mas eu,
nós com quem me quiser ser Um

O Nós é a vida toda
A coragem e a determinação
A vida toda

Poesia Viva

de mãos nuas,
à espera de um abraço,
de uma palavra, de um sorriso,
de um silêncio cúmplice,
e este cheiro a noite súbita, como se me fizesses renascer,


os grilos, nesta noite morna de amantes intemporais
Humanidade

pelos sonhos nos somos

a vida é um jogo, Repara
presta atenção, um jogo de futebol
de lados diferentes
como que perdidos então
à noite quando jogamos juntos
antes

essas ruas desertas, cobertas de noite e alegrias nossas e de outros,
como crianças de volta da bola que salta daqui, de mim para ti,
sabes que o nosso sonho é maior que o que perdemos?

O sonho é uma página em branco previamente escrita,
nela as vitórias são as mais belas, os golos os mais extraordinários, únicos, cada acção
os jogos mais brilhantes,
e de manhã quando saímos para a rua, já sentimos o sabor e o cheiro dessas tardes coração todo,
à noite cantaremos alegria,
sonha comigo, cansa-me-te comigo as manhãs para que a tarde e a noite surjam agora
que não quero esperar
olhos sem Eus, os nossos

No recreio como na vida

Há muitos anos atrás quando jogava à bola nos recreios ou nos baldios ou nos campos de futsal, quando entrávamos em campo já tínhamos uma ideia do que se ia passar, havia sempre entre nós 3 ou 4 tipos cheios de inteligência e arte e se mais do que dois estavam numa equipa estávamos bem lixados, era a equipa dos bons.
No nosso campeonato essa equipa é o Benfica, mas não parece, tal o sofrimento com que os jogos são ganhos. O ano passado também foi assim!
Desculpem-me, isto é estranho, não faz sentido.
Qual a razão destas vitórias sofridas quando a nossa equipa é manifestamente melhor que as restantes?
E ainda acresce que temos em geral dois jogadores de qualidade para cada posição e temos agora a chegada do Grimaldo e de todos em geral ao onze, (?).
Não entendo a tremideira.

Bela é a Vida

viver?
deitado, levanto-me, ando, além estou sentado (entre isto e aquilo)
suspenso entre nada e coisa nenhuma

sonho imagino
simples histórias
que contamos uns aos outros

escolho um simples beijo
um momento juntos
amanhã sigo
a Viagem

entre ontem e amanhã
beijemo-nos, abracemos o êxtase
nada mais é

com grande estrondo

a queda,
o infeliz, desconhecendo que a porta era para ser usada, escolheu o lado esquerdo da porta. Ignorou o que outro viu com clareza.
A sabedoria não mãe de seguidores é filha da ciência sem tempo ou espaço, aquele que simplesmente observa.

aberta

exposta à vida
sublime
lábios de mel acre
nariz arrebitado


se soubesses que a vida é prazer
e os meus braços
noites longas
suspiros
e gemidos

Utopia Aqui

Amantes do belo, os seres deste belo planeta, são criativos, apaixonados, fraternos, cooperam e respeitam todos os ecossistemas. A tecnologia permite uma vida suave de aventuras e artes supremas. Expansão.

silêncio

de revolta
de entusiasmo
de encontro com a essência

(dizem muitos)
que se entra para a dimensão do real
mergulhado nesse silêncio cá dentro e lá fora

plenitude , estado de alerta
todas as delicias do mundo se depositam em ti

A Deusa

nesse maravilhoso conteúdo sexual explicito
um olhar maroto
sem cuecas

estava a ler o jornal com interesse e sentaste-te em frente de mim, uma saia curta, um psst, levantei os olhos, estavas, como já disse, sentada em frente a mim, cheiravas ... é indescritível o sabor adocicado do teu cheiro, entretanto estas palavras estão sem vida real, são ausência de olfacto e gosto, absolutamente insuficientes,
estavas (...)
de pernas abertas
e tinhas em ti o olhar mais belo que jamais tinha visto numa mulher.

calças rotas

sem nome
corpo belo, calças rotas
juventude e carácter

sensualidade e frescura
audácia erótica
um dia distante
seremos um

numa tarde de Fevereiro

Sabor Viciante

Coloca as minhas mãos
em ti, no teu corpo, na tua vida
sente-me rasga-me a alma
deixa-me sem pé

beijar os teus mamilos erectos
como eu, numa dança lenta
veludo e mel
Bolero de Ravel
cada molécula do teu ser
as tuas pernas
a tua flor aberta suculenta

olhar-te
para sempre
êxtase arrebatador
porta da eternidade nesses momentos
através de ti
deusa

(foi) longo o dia

uma pena esvoaça ao som do vento
uma folha dança num ritmo frenético
os pássaros em bando

é noite
Está um frio de morte, um gelo glacial
chove, chove muito
água do árctico

em casa estou eu, estou eu
é noite, está frio
cá dentro
de mim

O Juíz

E o réu, cumprimentam-se, os advogados sem esforço bebem um café tardio.
A audiência nervosa, espera pela sentença acordada.
O jogo combinado, ...

E todas as histórias parecem repetir-se, um ciclo que se desrenova.

Vem a noite, valerá a pena o sono?
Sempre.

embala-me

deixa-me quieto
envolve-me com o teu andar
perturba-me a alma
corrompe-me o corpo

noite dentro, tarde finda
quando quiseres, onde quiseres
como te deixar frenética

quero degustar-te
seduzir-te com um toque
acariciar-te com uma flor
derrubar mel sem querer
sobre ti, para que o sabor seja intenso
apaixonante

reduzir-te a amor

Mãos de Vénus

onde me encontras
eu sou-te, onde nos somos
é a vida

ambos como um fio de mel
que te escorre dos lábios
e a tua língua, os teus lábios
esse fio de mel que me és

amor?
prazer eterno
os teus gemidos, o céu aqui
nas nossas mãos

a vida é agora