Estirador

Um bloco de pedra
Onde escrevo na lápide
a vida que não sou...

Convido-te para uma longa noite de amor

E se quiseres direi que te amo

e no êxtase do encontro

cada um será livre

porque sem ti livre não sou

Só no estirador
na palavra eu vivo

a vida... fora dele é tudo

uma página cheia de cores desconexas...

Comentários

  1. O teu melhor poema, se é isso que lhe chamas.

    ResponderExcluir
  2. Não não lhe posso chamar poesia... é uma coisa... grande abraço Germano!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Capitais Próprios e a BTV

Rumores

olhar