segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Uma Solução para o Jogo do Benfica



Criação de um gabinete de estudos de treino físico-técnico-táctico - ou redefinição dos papeis dos actuais integrantes das equipas técnicas do clube. Temos que ter licenciados em treino, pessoas que estudem aprofundadamente o jogo. Uma equipa que trabalha em permanência os modelos e filosofia de jogo, o treino individual e colectivo. Que analisa jogo a jogo, jogador a jogador, as virtudes e as falhas e que vai apontando soluções nesses âmbitos com a finalidade de melhorar os aspectos individuais e colectivos do treino e do jogo em si. Esta equipa estaria ao serviço da estrutura a partir dos juniores até à equipa A, seria um recurso permanente do clube. Um mecanismo de melhoria permanente do jogo, Esta equipa é do clube e serve todos os treinadores que passem pelo clube.
Temos que fazer alguma coisa para melhorar o jogo da equipa caramba, FAÇAM ALGUMA COISA JÁ!
Não me digam que isso já existe, se existe são incompetentes, a conceptualização dos movimentos ofensivos é fraquíssima, aquilo a que chamam a transição defensiva é duma pobreza horrenda, existe uma má leitura do posicionamento dos atletas, somos apanhados em "contra-pé, descompensados vezes sem conta". A circulação de bola sobre pressão é muito fraca, perdemos a bola com uma facilidade ATERRADORA, isso provavelmente tem a ver com um deficiente posicionamento dos atletas na criação de linhas de passe inequívocas, ALGO NO NOSSO JOGO ESTÁ PROFUNDAMENTE ERRADO!
Façam alguma coisa, OS VENCIMENTOS QUE AUFEREM DEVEM ser suficientes para se MEXEREM!, falo dos jogadores e da equipa técnica. A incapacidade de dividir o jogo com equipas mais fortes que nós é gritante e os resultados são reflexo disso, SEJAM CONSCIENTES, ACTUEM. Estudem, reflictam, inovem.
SEJAM BENFICA CA---ALHO

terça-feira, 11 de julho de 2017

Redenção


Ser-Se Enorme a Condição de todos os seres Humanos
Olho atrás, para trás, sonho outro eu,
Um rio caudaloso, uma cascata de luz e sombra, eu num farol de mim no meio como um campo de girassois

A minha, a tua, a nossa história, são contos diários onde nos reconhecemos virtude perdida
uma arte que se encontra em grutas sem nome ou geodefinição
Criatividade amor ao belo, uma estrutura de poetas e gente simples e estival

Dar corpo ao sonho, ser-se o Sonho de Todos
ARTE


sábado, 8 de julho de 2017

MEMÓRIAS


Fogachos de outros anos, como se fossem outras vidas, décadas de olhos cheios de luz e entusiasmo, como as crianças a correrem atrás de uma bola, numa alegria sem medida, assim já todos nós fomos, pequenitos e pequenitas que sabiam que o amor à vida e ao jogo e de uns pelos outros eram sempre vitórias, todos os dias. Acordávamos cheios de alegria do jogo com os outros, todos os outros e outras, eram dias sempre novos, jogos sempre maravilhosos.
O Benfica no coração das crianças e dos adultos meninos e meninas é sempre assim façam o que fizerem, porque esse mundo habita esses e essas, são os príncipes e as princesas na vida, e os dias são mais dias nos corações com essas pessoas junto de nós...

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Vencer é Resignar-se

"Vencer é Resignar-se


Conformar-se é submeter-se e vencer é conformar-se, ser vencido. Por isso toda a vitória é uma grosseria. Os vencedores perdem sempre todas as qualidades de desalento com o presente que os levaram à luta que lhes deu a vitória. Ficam satisfeitos, e satisfeito só pode estar aquele que se conforma, que não tem a mentalidade do vencedor. Vence só quem nunca consegue. Só é forte quem desanima sempre. O melhor e o mais púrpura é abdicar. O império supremo é o do Imperador que abdica de toda a vida normal, dos outros homens, em quem o cuidado da supremacia não pesa como um fardo de jóias.

Fernando Pessoa, in 'Notas Autobiográficas e de Autognose' "

terça-feira, 4 de julho de 2017

O Argumento!


Saber escutar com os olhos e o coração. Olhar o outro nos olhos, perceber-lhe a alma.
Inteligência vencedora, lucidez e coragem.
Vencer é conhecer a alma do adversário.
Derrotar os nossos medos.
Arte pura.

segunda-feira, 3 de julho de 2017

O Combate (a guerra) Interno e Externo, a Futilidade e a Ignorância



Existe maior alegria na superação e na inteligência, que o vil dinheiro nunca entenderá.
Existe maior alegria na arte e no belo que nenhuma vitória te poderá dar.

A alegria, a arte, a inteligência, a superação, o entusiasmo, a unidade, o sonho, e só depois a Vitória.
A unidade com os derrotados, a mesma realidade, uma não existe sem a outra e os adversários, não existimos uns sem os outros. Aqueles que desprezam os adversários desprezam o jogo e a si mesmos, porque sem adversários nós não existimos.

Que este seja um ano de UM PLANTEL PODEROSO E EQUILIBRADO EM TODOS OS SECTORES, e que a arte de ter bola seja uma realidade.

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Os Convencidos da Vida

Muito para lá do futebol, uma coisa entranhada no sangue, nos ossos, nos músculos daqueles que sabem que são melhores!, o caldo de ironia que as palavras anteriores reflectem pode ser compreendido numa lógica igual a um mau cheiro inoportuno com que nos possamos cruzar desconhecendo d eonde provém.

"Os Convencidos da Vida
Todos os dias os encontro. Evito-os. Às vezes sou obrigado a escutá-los, a dialogar com eles. Já não me confrangem. Contam-me vitórias. Querem vencer, querem, convencidos, convencer. Vençam lá, à vontade. Sobretudo, vençam sem me chatear.
Mas também os aturo por escrito. No livro, no jornal. Romancistas, poetas, ensaístas, críticos (de cinema, meu Deus, de cinema!). Será que voltaram os polígrafos? Voltaram, pois, e em força.
Convencidos da vida há-os, afinal, por toda a parte, em todos (e por todos) os meios. Eles estão convictos da sua excelência, da excelência das suas obras e manobras (as obras justificam as manobras), de que podem ser, se ainda não são, os melhores, os mais em vista.
Praticam, uns com os outros, nada de genuinamente indecente: apenas um espelhismo lisonjeador. Além de espectadores, o convencido precisa de irmãos-em-convencimento. Isolado, através de quem poderia continuar a convencer-se, a propagar-se?
(...) No corre-que-corre, o convencido da vida não é um vaidoso à toa. Ele é o vaidoso que quer extrair da sua vaidade, que nunca é gratuita, todo o rendimento possível. Nos negócios, na política, no jornalismo, nas letras, nas artes. É tão capaz de aceitar uma condecoração como de rejeitá-la. Depende do que, na circunstância, ele julgar que lhe será mais útil.
Para quem o sabe observar, para quem tem a pachorra de lhe seguir a trajectória, o convencido da vida farta-se de cometer «gaffes». Não importa: o caminho é em frente e para cima. A pior das «gaffes», além daquelas, apenas formais, que decorrem da sua ignorância de certos sinais ou etiquetas de casta, de classe, e que o inculcam como um arrivista, um «parvenu», a pior das «gaffes» é o convencido da vida julgar-se mais hábil manobrador do que qualquer outro.
Daí que não seja tão raro como isso ver um convencido da vida fazer plof e descer, liquidado, para as profundas. Se tiver raça, pôr-se-á, imediatamente, a «refaire surface». Cá chegado, ei-lo a retomar, metamorfoseado ou não, o seu propósito de se convencer da vida - da sua, claro - para de novo ser, com toda a plenitude, o convencido da vida que, afinal... sempre foi."

Alexandre O'Neill, in "Uma Coisa em Forma de Assim

Uma Solução para o Jogo do Benfica

Criação de um gabinete de estudos de treino físico-técnico-táctico - ou redefinição dos papeis dos actuais integrantes das equipas técnica...