domingo, 31 de dezembro de 2017

moléculasdealegria


este estado neutro
alegria suave, olhares cúmplices
mãos doces
mentes despertas

amor real pelo jogo
pela vida
fora do tempo
fora da mente

dias sempre novos
jogo maravilhoso

que me importa se ganho ou se perco
a alegria é o jogo
o jogo é a alegria

domingo, 24 de dezembro de 2017

sonisticios


O silêncio dentro do silêncio
palavra, sílaba emoção

sonisticios de amor à vida
o sol imóvel, a terra gira, um novo dia
ao meu lado a tarde e a noite
sonisticios

mãos suadas, frias, imersas num calor suave
o teu olhar, as tuas mãos,
o teu peito, a tua voz,
a tua voz

sonisticios
o silêncio na palavra,
o silêncio dentro de mim vindo de ti

doces sonisticios

leva-me para tua casa que vivo de amores por ti

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

O Fim por Fernando Pessoa, o sonho


Retirado do Livro do Desassossego

"De sonhar ninguém se cansa, porque sonhar é esquecer, e esquecer não pesa e é um sono sem sonhos em que estamos despertos"

Que os poetas e sonhadores se apresentem porque isto merece esses, uma nova forma de vida.

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

A capa invisível!



A bola escondida entre duas voltas e contra voltas, um truque inimaginável, saltou para o colo do girafa, atabalhoado sem saber o que fazer fugiu-lhe para as pantufas do puma, parecia uma gazela, entrou com a bola dentro da baliza, ninguém soube o que se passou, o pescoço longo ainda bamboleante correu para os braços do felino mas caiu desamparado antes de lhe agradecer. O golo improvável. Vencemos.

Agostinho da Silva

"Morre menos gente de cancro ou de coração do que de não saber para que vive; e a velhice, no sentido de caducidade, de que tantos se v...